segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

COLETÂNEA DE TEXTOS DO PROFESSOR WILLIAM PEREIRA

OS NOVOS RUMOS PARA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR – PROESP-BR

Por William Pereira da Silva

Os professores de educação física da rede pública têm uma enorme dificuldade de aplicar seus conhecimentos dentro da realidade das escolas.
Muitos estão perdidos e não sabem como agir diante das determinações da secretaria de educação, no que se refere às avaliações e metodologias a serem aplicadas. Determinações estas impostas pela nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação( LDB ) e os Parâmetros Curriculares Nacional (PCN’S).
Geralmente recebemos críticas por mostrar que no passado ( década 70-80 e inicio de 90) a Educação Física escolar funcionava.Relembramos os testes e exames que realizávamos e que todos, alunos e professores de educação física gostavam de executar, duravam de dois a três meses os exames médicos, biométricos, testes aptidão física e de aptidão motora. Toda escola era envolvida, havia uma intervenção nos horários normais de aulas com o envolvimento de todos os alunos e professores da escola. Durante o restante dos bimestres as aulas eram complementadas com recreação, jogos, exercícios físicos de ginástica, calistênia, torneios, campeonatos internos e diversas outras atividades, todos sabiam o que fazer e terminávamos o ano letivo cumprindo nossa carga horária satisfatoriamente. Tudo funcionava normal e naturalmente. A subcoordenadoria de educação Física e desporto tinham um manual com todos os exercícios físicos e instruções dos exames e testes com tabelas e modelos das fichas de todos os alunos para colocar os dados dos testes realizados. Existia um livro com a regulamentação das atividades do Professores de Educação e determinações que regulamentavam o nosso exercício profissional no estado.
Praticamente paralisada a educação física escolar tem solução para os seus problemas com um projeto lançado pelo governo através do Ministério do Esporte e turismo e a UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - Centro UFRGS de Excelência Esportivo – PROJETO ESPORTE BRASIL – PROEP-BR - Indicadores de Saúde e de Desempenho Esportivo em Crianças e Jovens. Ver site www.ufrgs.br/esef/proesp-br.
A seguir veremos a que vem a ser este projeto:
INTRODUÇÃO
A EF configura-se como disciplina escolar cuja especificidade lhe atribui responsabilidades inerentes ao desenvolvimento da cultura corporal. Entende-se por cultura corporal a competência relativa às habilidades e condicionamentos passíveis de educar crianças e jovens para a utilização adequada de seu tempo de lazer através de práticas corporais tais como o esporte, a dança, a ginástica e jogos.
É, da mesma forma, responsabilidade da EF a promoção da saúde através da educação para uma vida fisicamente ativa e esportivamente rica; desenvolver estratégias para que crianças e jovens criem o gosto pelas atividades da cultura corporal; desenvolver conhecimentos sobre as relações das práticas corporais com a saúde; proporcionar hábitos de lazer fisicamente ativos, além de desencadear alternativas para a democratização das práticas da cultura corporal em nosso país.
Desta forma o Projeto Esporte Brasil - PROESP-BR - desencadeado no espaço claramente definido da educação física escolar, tem por objetivo geral delinear o perfil somatomotor, dos hábitos de vida e dos fatores de desempenho motor em crianças e adolescentes na faixa etária entre 7 a 16 anos tendo em vista a possibilidade de constituir indicadores para a constituição de uma política de educação física e esportes para crianças e jovens no Brasil.
A relevância do projeto deve-se, entre outros fatores, pela incipiente presença de dados fidedignos relativos aos segmentos da população escolar brasileira envolvidas com as práticas de educação física e esporte escolar. Esta incipiente informação não tem permitido um adequado diagnóstico das condições das capacidades motoras e de aptidão física relacionada à saúde e ao desempenho esportivo, bem como suas possíveis relações com hábitos de vida.
Em síntese, para além do Projeto Brasil, trabalho pioneiro de Maurício Leal Rocha e sua equipe nos anos 70 e dos relevantes trabalhos de Barbanti (1983); Matsudo e col.(1992); Marques e col (1982); Böhme & Freitas (1989); Kalinowski & Kiss (1996); Guedes e Guedes (1997); Doréa (1990); Arruda (1990), Lopes (1999) entre outros; pela amplitude territorial do país que impõe diferenças culturais importantes, não se dispõe, de forma sistematizada, do conhecimento das características e do estado de crescimento da população escolar brasileira, muito menos do seu valor físico, capacidade motora, seus interesses e motivações relacionadas às práticas da cultura corporal em geral e esportiva em especial.
Nesta perspectiva, o presente projeto propõe colaborar sugerindo instrumental válido, fidedigno, de baixo custo e de muito fácil aplicação, permitindo aos professores de educação física nas inúmeras escolas de nosso Brasil utilizá-lo no sentido de estabelecer o acompanhamento de seus alunos no que se refere aos aspectos de crescimento e desenvolvimento somatomotor, aspectos nutricionais, e de aptidão física.
Por outro lado, tendo em vista a constituição de uma rede de informações e um banco de dados nacional, assessorados pelos Centros de Excelência Esportiva (CENESP) do Ministério do Esporte e do Turismo, será permitida uma fácil, rápida e competente comunicação entre a rede CENESP, as Escolas de Formação de Professores de Educação Física e a população de professores atuantes nas escolas do ensino fundamental em todo o território nacional. Dessa forma, pretende-se delinear um perfil da população escolar brasileira possibilitando a definição de subsídios para a consolidação de políticas adequadas para a área de educação física e esportes em nosso país.
Acresce ainda, na medida em que as avaliações tratam de capacidades de prestação motora no âmbito da saúde e da predisposição esportiva, o presumível alcance que o projeto reveste, quer para a educação física como disciplina curricular, quer para o próprio sistema esportivo, dado o trânsito natural e desejável dos jovens praticantes desde a escola até o clube esportivo e aos quadros competitivos mais exigentes.
O projeto é claro e explica as LINHAS DE AÇÃO, AS QUESTÕES DE PESQUISA, A BATERIA DE MEDIDAS E TESTES SOMATOMOTORES DO PROESP-BR, APLICAÇÃO DA BATERIA DE MEDIDAS E TESTES DO PROESP-BR, A ORDEM DE MEDIDAS E TESTES (Medida de massa corporal, medida de estatura, medida de envergadura, Teste “sentar e alcançar”, Teste de exercício abdominal, teste de salto em distância, teste de arremesso, teste do quadrado, teste da corrida de 20 metros, teste da barra modificado, teste dos 9 minutos ou do “vai-e-vem” ) INTRUÇÕES PARA APLICAÇÕES DA BATERIA PROESP-BR, QUADRO E TABELAS DE TODOS OS TESTES E RESULTADOS OBTIDOS, FICHAS DE REGISTROS E ENTREVISTAS, QUESTIONÁRIO DE HÁBITO DE VIDA DOS ALUNOS, ANEXO COM MODELO DE AQUECIMENTOS. Enfim é um projeto riquíssimo e pronto para ser aplicado dentro da realidade de qualquer escola do Brasil mesmo com as diferenças regionais e culturais existentes.
Educadores da educação física escolar, não esperem que as soluções estejam sempre prontas, vamos pesquisar inovar, mudar este quadro caótico e mostrar a todos que somos capazes de ter autonomia profissional e conhecimentos suficientes valorizando nossa profissão.


MALHAÇÃO CORPORAL

William Pereira da Silva
wilpersil@hotmail.com

Malhação é um termo da gíria brasileira que é fazer ginástica vigorosa visando à musculação ou emagrecimento. Geralmente malhação está ligada aos exercícios físicos de musculação em academias nos diversos aparelhos criados para tal finalidade.
Como professor de Educação Física sempre fui contra ao modismo da malhação em academias, para mim este tipo de atividades não significa propriamente saúde, ela esta mais para atletas profissionais que busca melhorar seu rendimento mesmo que para isso arrebente seu sistema muscular. Adquirir saúde para melhorar sua qualidade de vida não significa sofrer com exercícios corporais infindáveis que trazem dores por todo o corpo. Muitas vezes as pessoas por não suportarem passam no máximo três meses praticando musculação prejudicando sensivelmente sua estrutura corporal onde num futuro bem próximo sentirá os efeitos maléficos de tais ações.
As atividades naturais devem ser cultuadas por aqueles que necessitam melhorar seu desempenho físico diminuindo a incidência de doenças cardiovasculares mantendo uma atividade física regular, bem dosada, moderada e sem fins atléticos para competições.
Antes de uma interpretação errônea sobre minha concepção é bom citar que não sou contra academias, elas são necessárias e importantes naquilo para que foram criadas, apenas vejo restrições no seu uso inadequado, muitos fazem delas, principalmente jovens adolescentes um meio de estourar seus músculos para atingir uma compleição física mais avantajada não levando em considerações certas recomendações, por exemplo, um músculo não pode ser hipertrofiado antes que o esqueleto tenha crescido em todo seu potencial, o que acontece por volta dos vinte anos. (Turíbio, 1997).
Os exercícios naturais são aqueles onde utilizamos somente nosso corpo juntamente com os recursos naturais, são eles; andar, caminhar, correr, nadar, saltar, rastejar, pular, lançar, pegar, arremessar, flexionar braços, pernas, abdômen e partes do corpo, subir e descer(rampas, ladeiras, árvores, morros, cordas), agachar, apoio dos braços (Flexão e extensão braços apoiando o corpo na vertical ou na horizontal), carregar (pedras, tronco árvores, pessoas), empurrar, puxar, balançar, enfim todo movimento corporal executável nas possibilidades existentes no corpo humano respeitando seus limites. Ainda podemos utilizar recursos materiais adquiridos facilmente no nosso cotidiano como pedalar bicicleta, jogar bola nas suas diversas modalidade esportivas, atividades jogos e recreação, dançar com músicas em casa nas festas, remar nas canoas em pescarias, caçar e tudo que a imaginação possa criar para colocar seu corpo em movimento. Tudo isso ao seu dispor antes de pensar em malhar numa academia.
Algumas concepções são criadas por pessoas praticantes das atividades físicas nas trocas de informações para um melhor desempenho corporal. É preciso entender alguns fatores que não passam de mitos criados ao longo do tempo. Muita gente pensa que para conseguir resultados nas atividades físicas é necessário sentir dores musculares, ninguém precisa sentir dor para se beneficiar dos exercícios físicos, bastar praticar atividades dentro do seu limite com moderação aumentando regularmente sua intensidade ao longo do tempo, só consegue melhorar a qualidade de vida quem mantém uma atividade física regular, bem dosado, sem exageros. Para ter um bom desempenho nas atividades é preciso somente praticar cerca de 45 minutos de exercício três vezes por semana. O sedentário que pratica uma vez por semana pode estar sendo prejudicado pensado que a quantidade de exercício em pouco tempo irá melhorar seu condicionamento físico, o bom é um pouco de atividade por vários dias.
Os melhores exercícios para a saúde são chamados os exercícios aeróbicos, como caminhar, nadar e pedalar, segundo Turíbio Leite de Barros Neto, professor da Universidade Federal de São Paulo, fisiologista, autor do livro Exercício, Saúde e Desempenho Físico, correr só é recomendável para quem já tem bom condicionamento. Para a estética, levantar peso pode ser mais interessante do que andar. Mas do ponto de vista da saúde, não se deve trocar uma boa caminhada por uma aula de musculação. O melhor esporte, no entanto, é o que dá prazer à pessoa. Quem faz o que gosta beneficia o corpo e também a mente, e é isso que torna o exercício um hábito. Quando a atividade física é prazerosa, ela deixa de ser um sacrifício. As pessoas a incorporam a em sua vida e, quando deixam de faze-la, sentem falta. Essa necessidade não é apenas subjetiva: quando o exercício está dentro de uma faixa de intensidade agradável, há liberação de endorfina, um neurotransmissor que dá sensação de bem-estar ao individuo.




NEUROBICA


WILLIAM PEREIRA DA SILVA

Quando li pela primeira vez a palavra NEURÓBICA associei logo com Neurônios e Aeróbica. Creio ter sido a facilidade por ter estudado o sistema nervoso e viver ouvindo as palavras Neurônios e Aeróbica nas atividades de Educação Física. NEUROTICA é um termo novo criado para definir no meu entender os exercícios mentais associando aos exercícios físicos, porém ele vai muito mais além e é um termo que abrange atividades bastante amplas para os indivíduos em geral.
A palavra NEURÓBICA foi criada por Katz e Rubin (2000), é uma alusão deliberada ao exercício MENTAL. Afirmam esses autores que a NEURÓBICA é muito diferente de outros tipos de exercício cerebral, que em geral envolvem quebra-cabeças, palavras cruzadas, exercícios de memória e várias espécies de testes. Em vez disso, os exercícios da NEURÓBICA usam os cinco sentidos de novas maneiras, a fim de aumentar o impulso natural do cérebro para formar associações entre diferentes tipos de informações.
Assim como as formas ideais de exercício físico enfatizam o uso de muitos grupos musculares diferentes para aumentar a coordenação e flexibilidade, os exercícios cerebrais ideais envolvem a ativação de muitas áreas diferentes do cérebro, de novas maneiras, para ampliar o alcance da ação mental. Por exemplo, um exercício como a natação torna o corpo mais apto em geral, capaz de fazer qualquer exercício. Da mesma forma, a neuróbica – e lembre-se que o xadrez é um exercício neuróbico – torna o cérebro mais ágil e flexível. Assim, pode-se assumir qualquer desafio mental, seja de memória, desempenho de tarefa ou criatividade. Isso acontece porque a neuróbica usa um método baseado na maneira como o cérebro funciona, não apenas em como fazer o cérebro funcionar.
Para todos entender melhor o que vem a ser AS ATIVIDADES NEUROBICAS veja a relação de alguns exercícios neuróbicos dos muitos que existem:
Em seu livro, Katz e Rubin (2000) listam 83 exercícios neuróbicos, dos quais alguns são aqui citados como exemplo:
Þ Mude a associação olfativa pela manhã com alguma coisa diferente do café fresco, durante uma semana: baunilha, limão, hortelã ou alecrim.
Þ No chuveiro, feche os olhos e encontre os objetos necessários pelo tato.
Þ Escove os dentes com a outra mão.
Þ Leia em voz alta com o parceiro. Alternem os papéis de leitor e ouvinte.
Þ Siga por um percurso diferente para o trabalho (procurando captar sons, odores, cores, formas).
Þ Use odores para formar uma associação específica com um lugar.
Þ Use uma essência aromática de seu gosto e ouça ao mesmo tempo uma canção predileta.
Þ Em sua sala de trabalho, mude as coisas de lugar para reativar as redes de aprendizado espacial. Lembre-se de que a rotina embota o cérebro (grifo nosso).
Þ Ponha filtros ópticos de cores diferentes na lâmpada de sua mesa.
Þ Associe aromas às tarefas.
Þ Aprenda Braille.
Þ Jogue xadrez (grifo nosso). (Aqui os autores relatam o caso de um escritório onde foi colocado um tabuleiro de xadrez ao lado do bebedouro. Qualquer empregado, durante uma pausa, podia ir até o tabuleiro, avaliar a situação e fazer um movimento. Era um jogo permanente, sem jogadores conhecidos, sem vencedores ou ganhadores).
Þ Visite uma feira-livre.
Þ Faça das refeições um acontecimento social (sem rádio, nem TV, com todos assentados à mesa, talvez antecedidas por uma oração).
Þ Troque de lugar nas refeições.
Þ Uma vez por mês, experimente pratos que sejam uma total novidade para você.
Þ Conheça novos lugares, novos rostos.
Þ Aprenda a linguagem dos sinais.
Þ Inicie um novo hobby (pesca, aeromodelismo, computador, instrumento musical, prancha de windsurf, etc.)
Þ Cultive um jardim.
Þ Seja criativo, participando de uma oficina de criação (redação, pintura, fotografia, escultura, música, arte dramática, arqueologia, etc.) ou de centro esportivo (tênis, natação, golfe, mergulho submarino, basquete, futebol, montanhismo, etc.) ou faça uma curso de culinária.
Percebe que estes exercícios visam estimular e criar novas redes de conhecimentos dentro do cérebro evitando o comodismo que é acostumado a impor a nossas ações. É a busca do novo, a ampliação das ações corporais sensitivas, táteis, auditivas, gustativa e visual melhorando consideravelmente nosso estilo de vida e nossos pensamentos juntamente com as atividades físicas.
Fonte de pesquisa;
XADREZ: EXERCÍCIO NEURÓBICO E UM INSTRUMENTO PEDAGÓGICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA – Monografia apresentada à Escola Superior de Educação Física de Muzambinho – MG pelo aluno Vinicius Vignoli como requisito à obtenção do título de Licenciatura Plena em educação Física tendo como orientador Professor Ms. Marcos Navarro Milliozzi.

A EDUCAÇÃO FÍSICA, OS MOVIMENTOS E SEUS BENEFÍCIOS.

William Pereira da Silva
wilpersil2003@yahoo.com.br

Os movimentos corporais estão presentes na vida mesmo antes do nascimento, eles são parte integrante do nosso ser, da mesma forma que precisamos do alimento, da água, de carinho, amor e afeto, necessitamos dos movimentos para nossa sobrevivência. A criança utiliza os movimentos para suprir suas necessidades básicas e é através deles que medimos o progresso da criança. Na idade pré-escolar a criança é um ser dinâmico, cheio de indagações espontâneas e com múltiplas habilidades físicas, sua habilidade motora é utilizada para a expansão do seu desenvolvimento global. Os movimentos possibilitam uma maior proximidade com o mundo da criança, melhora a condição física e de saúde, ajudam a desenvolver os comportamento cognitivo e afetivo-social. A imagem corporal, a auto-estima, o conceito que ele terá sobre seu corpo será dado em maior parte pelos movimentos. Do zero aos sete anos toda educação da criança é feita através dos movimentos, ela tem necessidade de exercitar os músculos, reforças a estrutura óssea, desenvolver os pulmões, enriquecer o sangue, harmonizar as conexões nervosas... o exercício através dos movimentos é para criança tão indispensável quanto à alimentação. Daí podem sentir a importância que a EDUCAÇÃO FÍSICA tem como disciplina e o que ela de trás benefícios para o desenvolvimento das crianças e do ser humano em geral.
É inconcebível a forma como a Educação Física é tratada nas escolas públicas e em muitas escolas particulares, não é dada a devida importância que ela tem por trabalhar a corporeidade através dos movimentos, pouco, muito pouco é investido em recursos humanos e financeiros para o desenvolvimento pleno das atividades da EDUCAÇÃO FÍSICA. Existe uma política errada de incentivar somente as modalidades esportivas e esquecer a grande maioria dos alunos que necessitam dos movimentos através da dança, artes marciais, ginástica, natação, caminhada, corridas, jogos e recreação. Quando trabalhamos somente as modalidades esportivas estamos fazendo uma grande exclusão da maioria que não tem habilidades motoras e é essa maioria que realmente necessita das atividades físicas para seu desenvolvimento global.
Os benefícios que a EDUCAÇÃO FÍSICA trás através dos movimentos são numerosos e podemos ver que eles atuam nos comportamentos humanos sejam ele cognitivo (operações mentais), o afetivo-social (sentimento e as emoções) e o principal o comportamento motor (fazem parte todos os movimentos). Em seguida veremos todos os benefícios que os movimentos trazem para os diversos sistemas que compões o corpo humano seja ela criança, jovem ou adulta.
No sistema muscular os movimentos dão aos músculos mais força, agilidade, flexibilidade, resistência, elasticidade, coordenação motora, equilíbrio e alongamentos. No sistema Nervoso harmoniza as conexões nervosas dando mais relaxamento, evitando o stress, a fadiga, a ansiedade e a depressão promovendo hábitos salutares de alimentação e higiene. No sistema circulatório tem a diminuição da freqüência cardíaca em repouso ou em movimento, o aumento das cavidades do coração com maior volume de ejeção de sangue nas veias e artérias evitando entupimentos e possíveis infartos. No sistema respiratório o aumento na capacidade da respiração levando maior volume de ar aos pulmões e conseqüentemente oxigênio mais puro para o sangue alimentando melhor as células e todo organismo, fortalecimento dos alvéolos evitando doenças e como terapia em várias doenças cardiorespiratórias e maior capacidade aeróbica No sistema esquelético reforça toda estrutura óssea evitando no futuro a osteoporose.
Muitos são os benefícios que os movimentos trazem para um melhor desenvolvimento e desempenho do nosso corpo como os tratamentos na fisioterapia em recuperação de movimentos perdidos, na gravidez os movimentos adequados ajudam a mulher a ter melhor desempenho no parto, além de fortalecer as paredes abdominais dando maior rigidez evitando a chamada "barriga d'água", melhora o desempenho sexual, o cérebro passa a ter maior irrigação melhorando os pensamentos, a pratica da ginástica, dança, natação... diminui o interesse aos vícios das drogas e do álcool, melhora a estética do corpo, dando maior rigidez à pele, seios, nádegas, melhorando o tônus muscular. Com a pratica dos exercícios físicos teremos um coração mais vigoroso, artérias livres de gorduras, articulações azeitadas, níveis de açúcar normais, equilíbrio hormonal, sono mais tranqüilo, pressão normal, bom humor, postura correta, melhora da auto-estima, mais fôlego, as mulheres passam a ter mais alívio da TPM, mamas protegidas contra câncer, os homens a próstata mais protegida, os dois passam a ter mais entusiasmo no sexo, memória mais afiada, ossos mais forte e sistema imunológico reforçados.
Temos de ter em mente que a modernidade com toda sua tecnologia significou um retrocesso para os movimentos corporais e que o sedentarismo potencializa as ameaças de saúde para o ser humano. Na revista veja de dezembro, 2003, diz que a inatividade física está relacionada a 35% das doenças cardiovasculares fatais, a 35% dos óbitos por diabetes e a 32% das mortes por câncer de cólon. Cerca de Dois milhões de pessoas morrem por ano, no mundo todo, em decorrência do sedentarismo.
É hora dos poderes públicos atentar para fazer valer a lei e colocar para funcionar A EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR, conscientizando diretores, supervisores, orientadores, coordenadores, professores em geral, que precisam pesquisar, estudar, compreender que a disciplina educação física é importante e deve ter destaque com mais investimentos, espaço e material dentro do contexto escolar valorizando mais os professores de EDUCAÇÃO FÍSICA.
O CORPO HUMANO É UMA MÁQUINA PROGRAMADA PARA O MOVIMENTO. MUITO MOVIMENTO. O CORPO HUMANO, DEFINITIVAMENTE, NÃO FOI PROGRAMADO PARA FICAR PARADO.



EDUCAÇÃO FISICA DE INTERVENÇÃO - INTERVIR PARA INTERVERTER

William Pereira da Silva
Wilpersil2003@yahoo.com.br

A Educação Física escolar passa por sérias dificuldades de se impor como disciplina obrigatória e de por em pratica suas atividades. Várias são as causas que motivam o difícil funcionamento e aplicação da educação física escolar.
- Política de supervalorização das modalidades esportivas (Professores preocupam-se somente em formar equipes para apresentar nos Jem’s e nos Jern’s, deixando a maioria dos alunos EXCLUÍDA das praticas esportivas).
- Recursos materiais escassos (bolas, cordas, bastões, aparelhos de ginástica, aros...).
- Pouca valorização do professor de educação física dentro do contexto escolar.
- Desconhecimento de alguns diretores, supervisores e coordenadores da pratica e abrangência dos meios aplicados as aulas de educação física.
- Descaso de alguns professores com a educação física escolar.
- Falta de espaço físico adequado a pratica das atividades das aulas de educação física.
- Ausência de apoio moral e ético de segmentos da escola.
- Alunos não podem deslocar-se duas vezes a escola por motivos financeiros e transportes.
- Alunos da zona rural não tem a mínima possibilidade de freqüentar as aulas de educação física em outro turno.
- A aplicação das aulas de educação física nos horários normais de aulas não foi aprovada em várias tentativas.
- Não aceitação de novas idéias e projetos.

Poderíamos citar mais e mais fatores que impendem o funcionamento normal da educação física escolar, mas torna-se necessário encontramos meios para mudar esta triste realidade. E nesta busca apresento sugestões para nós professores atuarmos com mais eficiência, é a EDUCAÇÃO FÍSICA DE INTERVENÇÃO. Exemplificarei a seguir o que vem a ser esta educação física. Antes de passar a explicação fundamental vejamos o significado das palavras para melhor compreensão dos termos apresentados:
INTERVENÇÃO: Ato ou efeito de intervir; interferência.
INTERVIR: Tomar parte voluntariamente; meter-se de permeio, vir ou colocar-se entre, por iniciativa própria.
INTERVERSÃO: Ato de interverter; alteração da ordem natural ou habitual.
EDUCAÇÃO FÍSICA DE INTERVENÇÃO é aquela aplicada em várias empresas e industrias do setor privado. Um profissional de educação física estimula os funcionários no começo, no meio ou no final do expediente a praticar exercícios físicos sejam eles de alongamentos, flexibilidade, elasticidades... Recreações, jogos etc.
Na escola poderíamos fazer o mesmo, evidentemente com adaptações e elaboração das aplicações de forma conjunta com diretores, supervisores, coordenadores, professores e professores de educação física. Irei exemplificar dentro da minha realidade na E.E. Jerônimo Rosado.


Na escola temos dez professores de educação física, alguns somente desenvolvem modalidades esportivas, outros coordenam diversos projetos, uns tentam dar aulas de educação física e não conseguem(alunos não comparecem as aulas e não há punição nem acompanhamento de direção, supervisão e coordenação em alguns casos), e diversas outras atividades sempre obedecendo a normas da Dired, Codesp e secretaria de educação, e que nunca funciona de acordo com a realidade da escola, temos de quebrar esta dependência, temos de QUEBRAR A CASCA DO OVO, ser ousados deixando de lado determinações que ficam somente na fantasia de burocratas dentro de salas com ar-condicionado, não conhecedor da realidade palpável de nós professores, alunos e escola. Vamos encarar o novo modelo de uma gestão democrática, vamos aplicar os PCN”S, A LDB, romper com o conservadorismos que nos colocou nesta situação de desorientação, de descaso. É PRECISO MUDAR, impor o nosso saber, nossa experiência, nossa vontade.
A partir da aplicação da EDUCAÇÃO FÍSICA DE INTERVENÇÃO seriamos divididos em grupos de dois, três ou quatro professores e durante as aulas normais das outras disciplinas, nos três turnos, entraríamos nestas salas em horários pré-estabelecidos intervindo para aplicar atividades de movimentos corporais. Os alunos seriam surpreendidos com atividades de alongamentos, recreação, jogos, palestras e atividades diversas ligadas à disciplina de educação física. Os alunos poderiam ser retirados da sala e levados para pátios, quadras, ginásios ou qualquer local apropriado a uma aula de educação física durante aquela aula em que houve a intervenção. Também poderíamos executar essas atividades de intervenção com os funcionários nos diversos setores da escola como secretária, biblioteca, cozinha e demais setores da escola, já que somos professores de educação física da escola e não somente professores de alunos.
Tudo levaria ao sucesso da empreitada devido à evasão ser zero, os alunos seriam pegos de surpresa, seriam aulas divertidas, participativas e dinâmicas, os professores de outras disciplinas teriam momentos diferentes em sala de aula, os professores de educação física estariam cumprindo sua carga horária, todos teriam ocupação e seriam felizes para sempre(As sugestões apresentadas podem ser adaptadas a realidade de cada escola, de cada professor).
Aliada a EDUCAÇÃO FÍSICA DE INTERVENÇÃO, poderíamos desenvolver um projeto dentro da escola de UM CLUBE ESCOLAR, onde utilizaríamos todos os recursos disponíveis na escola como auditório (Oficinas de teatro, apresentação de peças educativas)), ginásio de esporte (Torneios e campeonatos), sala de vídeos (projeção de filmes variados), sala de ginástica (academia de ginástica e dança), clube de xadrez(aulas, palestras, torneios), pátios(atividades de recreação e lazer), quadra de vôlei de areia, laboratórios de informática(cursos de informática para os pais e comunidade), biblioteca(Leitura de livros, revistas,jornais), cantina(refeitório e lanchonete) e ruas de lazer, enfim, tudo o que a escola dispões para tal finalidade, tudo isso para os alunos, pais, funcionários e comunidade em geral ter a escola como um clube, inclusive aos finais de semana. O quadro de professores de educação física da escola coordenaria as atividades deste clube com organograma e estatutos planejados e elaborados por todos (Funcionaríamos nos moldes dos clubes do SESI, SESC, Caixa Econômica, BB...). Inclusive tem alguns professores da rede pública que já tem experiência por trabalhar ou ter trabalhado em clubes da cidade, é questão de envolvimento, compromisso e dedicação à causa da escola pública.
Creio que esta seria uma forma de inovarmos e tentar mudar nossa realidade valorizando mais a escola, alunos, comunidade em geral e nossa profissão. E muito mais pode vir a ser feito, como aplicar testes e exames no inicio e final de ano letivo, bem, isto é outro projeto(PROESP-BR, INDICADORES DE SAÚDE E FATORES DE PRESTAÇÃO ESPORTIVA EM CRIANÇAS E JOVEM) que apresentarei em breve, aguardem.


O CORPO DA CRIANÇA É UM SÓ
William Pereira da Silva

Do que mais precisa uma criança? Aparentemente a resposta é muito fácil de deduzir. Ela precisa de alimentação adequada, carinho, afeto, amor, brinquedos, espaços livres. Mas para ter e fazer tudo isso de que realmente ela precisa? Matou a charada? Não? É algo que sem ele ela não sobreviveria. É tão importante ou mais quanto o alimento e o afeto, sem ele a vida dela seria pura letargia. Estamos falando DOS MOVIMENTOS que dão vida e satisfaz todas as necessidades e desejos de uma criança. O que seria de uma criança sem os movimentos? Como ela se alimentaria? Mostraria seus sentimentos? Como iria satisfazer suas necessidades básicas de chorar, mamar, pegar, segurar, engatinhar, andar, correr, pular, saltar, rolar, subir, dependurar, pedalar, nadar, girar, dançar, cantar, pintar, escrever, desenhar, soprar, tocar instrumentos musicais? Tudo, tudo o que ela faz e necessita só consegue através dos MOVIMENTOS CORPORAIS.
OS MOVIMENTOS dão liberdade à criança de viver seu mundo com mais prazer ampliando sua capacidade de locomoção e exploração do mundo ao seu redor, dando a elas maiores conhecimento do seu corpo e desenvolvendo sua inteligência. Quanto mais movimentos e exploração do mundo, mais a criança tem suas capacidades cognitivas, afetivo-social e motora elevada a um nível de qualidade melhor.
A comunidade e a escola em particular esta satisfazendo as necessidades de MOVIMENTOS das crianças? Estaria a escola cumprindo o seu papel de educar as crianças em sua plenitude envolvendo os sentimentos, as emoções, a inteligência e suas necessidades motoras? Certamente se bem espreitares todos irá ver e responderiam com um sonoro NÃO! A preocupação maior é somente com a mente, o cognitivo e o resto do corpo são esquecidos.
As escolas verdadeiramente não estão cumprindo sua parte no que tange a educação dos movimentos corporais dos alunos nas suas diversas etapas do desenvolvimento motor nos respectivos níveis de ensino desde o maternal até o fundamental. Os professores de Educação Física que deveriam ser valorizados, incentivados, preparados, são tratados justamente ao contrario, não sendo ouvidos nem aceito suas idéias, projetos, experiências e todo valor profissional que os mesmos deveriam ter no âmbito educacional. È um grande erro e falta de sensibilidade dos dirigentes da educação principalmente em Mossoró, tanto na rede pública municipal e estadual de ensino. Não vemos um projeto sequer ser implantado e desenvolvido pelos órgãos públicos onde as crianças tenham seus movimentos corporais desenvolvidos em sua plenitude e feita uma avaliação rigorosa dos danos causados à saúde das crianças pela falta da educação motora.
Os professores de Educação Física sempre cumpriram o seu papel de mostrar como trabalhar os movimentos corporais em todos os níveis de ensino, principalmente no ensino pré-escolar e fundamental onde projetos foram implantados na rede municipal e estadual e inconsequentemente sem nenhum estudo ou avaliação estes projetos foram retirados do âmbito escolar. Tivemos um projeto Riquíssimo implantado na década de oitenta e inicio de noventa na rede municipal onde a Educação Psicomotora fazia parte da educação física das crianças. Projeto este apresentado de forma brilhante pelo Professor de Educação Física Djalma Frota tendo respaldo de toda comunidade acadêmica e profissional da educação física, projeto que devemos resgatar e tornar viável sua execução na rede pública de ensino.
Torna-se necessário a compreensão dos(as) dirigentes da educação para entender
que nem só de politicagem vive a educação, eles não são sozinhos os donos do saber e do poder, “algumas coisas mudam e são temporárias” mas e a educação, esta sim é eterna e precisa de pessoas sábias que compreendam o seu valor para a história da sociedade humana.
A Educação Física, única disciplina escolar cujo objeto de estudo e aplicação é o movimento, não tem tido espaço físico e, principalmente espaço político-pedagógico nas escolas. Normalmente a escola não conta com professores especializados, sob a alegação de que as aulas devem ser ministradas pela regente de classe. Por outro lado, a regente não adquiriu conhecimento suficiente em seu curso de formação para tratar as questões do movimento. E quem sofre as conseqüências é a criança. Ressalta a professora de Prática de ensino de Educação física, da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais, Eustáquia Salvadora de Souza.
Os antigos já tinham uma concepção sobre a necessidade de ver o corpo como um todo, de ver que todas as partes precisam uma da outra, não pode separar suas partes para educá-los temos de tratá-lo como um só corpo. Vejamos o que a carta aos I Coríntios escrita a mais de dois mil anos relata, sintam a riqueza nos detalhes em mostrar que devemos ver o corpo como uma unidade:
»I CORINTIOS [12]
12 Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros do corpo, embora muitos, formam um só corpo, assim também é Cristo.
13 Pois em um só Espírito fomos todos nós batizados em um só corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos quer livres; e a todos nós foi dado beber de um só Espírito.
14 Porque também o corpo não é um membro, mas muitos.
15 Se o pé disser: Porque não sou mão, não sou do corpo; nem por isso deixará de ser do corpo.
16 E se a orelha disser: Porque não sou olho, não sou do corpo; nem por isso deixará de ser do corpo.
17 Se o corpo todo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo fosse ouvido, onde estaria o olfato?
18 Mas agora Deus colocou os membros no corpo, cada um deles como quis.
19 E, se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo?
20 Agora, porém, há muitos membros, mas um só corpo.
21 E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós.
22 Antes, os membros do corpo que parecem ser mais fracos são necessários;
23 e os membros do corpo que reputamos serem menos honrados, a esses revestimos com muito mais honra; e os que em nós não são decorosos têm muito mais decoro,
24 ao passo que os decorosos não têm necessidade disso. Mas Deus assim formou o corpo, dando muito mais honra ao que tinha falta dela,
25 para que não haja divisão no corpo, mas que os membros tenham igual cuidado uns dos outros.
26 De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele.
27 Ora, vós sois corpo de Cristo, e individualmente seus membros.
Então senhores(as) dirigentes da educação vamos seguir os ensinamentos bíblicos e tratar as crianças como tendo um corpo inteiro e não só a cabeça desenvolvendo somente a parte cognitiva. Viva o corpo inteiro. Viva os movimentos. Viva a Educação Física.



PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA OU TÉCNICOS DE MODALIDADES ESPORTIVAS?


William Pereira da Silva
Wilpersil2003@yahoo.com.br

Da construção de abrigos e de ferramentas pelos nossos ancestrais, até a chegar à complexa tecnologia e culturas modernas, os movimentos desempenham e continuam a desempenhar um papel fundamental na vida do ser humano. É através dos movimentos que agimos sobre o meio ambiente para alcançar objetivos desejados e satisfazer nossas necessidades. O corpo humano é uma máquina programada para o movimento. A comunicação, a expressão da criatividade e a dos sentimentos são feitas através dos movimentos. É por meios deles que o ser humano se relaciona com o outro, aprende sobre si mesmo, quem ele é, o que é capaz de fazer. É através de movimentos que o ser humano aprende sobre o meio social em que vive. Sem movimento a vida não seria possível. E quando relacionamos a importância dos movimentos para o ser humano temos de inserir A EDUCAÇÃO FÍSICA que é a disciplina mais ligada ao estudo e aplicação dos movimentos no meio escolar. Não haveria educação do ser humano sem a educação do físico já que as praticas corporais está intimamente relacionada ao desenvolvimento global do ser humano, tanto nos aspectos do desenvolvimento evolutivo, biológico, psicológico, social e cultural da humanidade.
A EDUCAÇÃO FÍSICA não é valorizada como deveria dentro do contexto escolar. "A Educação Física é uma sabedoria de viver, uma exigência pessoal e existencial, isto é, uma tarefa educativa. Desta maneira, ela, em suas raízes mais profundas, tem o compromisso com a pessoa, isto é, com o crescimento, desenvolvimento e bem-estar do ser humano. Ela é um processo educativo que, antes do saber cientifico e do trabalho produtivo, tem um compromisso com a existência humana".(Silvino Santin - RS).
É incompreensível o descaso que os dirigentes da educação tem pela educação física escolar, ela sempre é colocada em segundo plano, em algum lugar, num cantinho dentro da escola, o que demonstra a ignorância da maioria das pessoas que dirigem escolas e setores da educação do estado. Nunca é inserida como prioridade na educação geral, pior do que isto são pessoas com Licenciatura em educação física que teimam em valorizar somente os esportes de rendimentos, deixam-se levar pelas políticas nefastas dos setores da Secretaria da Educação que coordenam os desportos, tornando licenciados em educação física em meros técnicos de modalidades esportivas preparando somente atletas para competições e esquecendo a maioria dos alunos que realmente necessitam da pratica da educação física e das modalidades esportivas e a grande utilidade que diversas outras atividades como a dança, ginástica, artes marciais, exercícios físicos, jogos e recreação têm no âmbito escolar. Perde aqueles que não praticam as atividades físicas na escola deixando de adquirir o hábito de ter atividades motoras fundamental para suas vidas levando-os a ter os benefícios físicos, metabólicos, psicológicos e sociais que a educação física trás.
Nós profissionais licenciados em educação física temos de impor o nosso lugar na sociedade e na escola, exercendo o nosso verdadeiro papel de educador e não meramente fantoches nas mãos de pessoas interessadas numa educação física voltada apenas para o lucro financeiro através do modelo do professor-técnico, têm urgentemente de tomar nosso lugar de professor-educador que utiliza todos os meios que a educação física oferece para educar a maioria dos alunos e não somente pessoas privilegiadas com alguma habilidade para as modalidades esportivas. Temos de ter em mente que estudamos, psicologia, sociologia, metodologia das ciências, filosofia, didática, fisiologia, anatomia, medidas e avaliações, jogos e recreação, ginástica e muitas outras disciplinas que nos colocam como educadores e não somente técnico em modalidade esportiva, que é somente uma pequena parte do que estudamos na universidade, temos de ter uma visão geral da educação física e não ser um simples técnico que qualquer pessoa com interesse mesmo não tendo curso superior pode atuar como tal. VAMOS FAZER VALER NOSSA FORMATURA DE LICENCIADOS EM EDUCAÇÃO FÍSICA.
Concluindo podemos citar uma pequena parte do texto EDUCAÇÃO FÍSICA: SABEDORIA DE VIVER de Silvino Santin, professor da Universidade Federal de Santa maria-RS:
" É dentro deste contexto que se pode perceber a delicada tarefa educativa da Educação Física. Mais que de cientista, TÉCNICOS ou profissionais, ela reclama por educadores que falem a linguagem da corporeidade humana. Estes não falam em nome da ciências, mas do ser humano. O educador não ocupa o lugar do outro, nem treina, nem doutrina. Ele deixa o outro viver, e deixa surgir os espaços da liberdade criativa.
Há, porém, um perigo na medida que surgem aqueles que por uma compreensão equivocada do educar ou por vício do hábito, pretendem impor o pensamento verdadeiro e único, da mesma maneira como outrora transmitiam gestos precisos para o arremesso, corrida ou saltos. Deste modo, o treinador transformou-se em doutrinador de ideologias dogmáticas. A ação educativa reconhece em cada pessoa um construtor de idéias. O ser humano cria utopias, sonha, inventa e constrói mundos. O ser humano pensante não se limita aos quadros mentais fechados de uma ideologia, ele se abre em questionamentos, também não reduz seus movimentos aos passos monótonos da marcha unida, aos gestos padronizados das academias. O ser humano pensante faz do pensar e do movimento a fonte de expressão, da invenção e da criação, o que fará de sua existência, não um autômato ou um robô, mas uma obra de arte. E toda obra de arte é criada para ser contemplada, sentida e vivida"..




OS MOVIMENTOS NATURAIS
William Pereira da Silva

Trecho da Carta de Pero Vaz de Caminha
"Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. Nas mãos traziam arcos com suas setas. Vinham todos rijos sobre o batel... A feição deles é serem pardos, maneira de avermelhados, de bons rostos e bons narizes, bem-feitos. Andam nus, sem nenhuma cobertura. Nem estimam de cobrir ou de mostrar suas vergonhas; e nisso têm tanta inocência como em mostrar o rosto. Ambos traziam os beiços de baixo furados e metidos neles seus ossos brancos e verdadeiros, de comprimento duma mão travessa, da grossura dum fuso de algodão, agudos na ponta como um furador. Metem-nos pela parte de dentro do beiço; e a parte que lhes fica entre o beiço e os dentes são feita como roque de xadrez, ali encaixado de tal sorte que não os molesta, nem os estorva no falar, no comer ou no beber.
Os cabelos seus são corredios. E andavam tosquiados, de tosquia alta, mais que de sobrepente, de boa grandura e rapados até por cima das orelhas. E um deles trazia por baixo da solapa, de fonte a fonte para detrás, uma espécie de cabeleira de penas de ave amarelas, que seria do comprimento de um coto, mui basta e mui cerrada, que lhe cobria o toutiçoe as orelhas. E andava pegada aos cabelos, pena e pena, com uma confeição branda como cera (mas não o era), de maneira que a cabeleira ficava mui redonda e mui basta, e mui igual, e não fazia míngua mais lavagem para levantá-la."
Dar para percerber neste trecho acima citado da carta de Pero Vaz de Caminha, que os indios encontrados no Brasil, eram mais de dois milhões, formavam uma população de seres humanos saudaveis, corados, fortes que sabiam nadar, pescar, remar, correr, inclusive muitos anos depois descobriram em suas culturas várias atividades esportivas como exemplo a corrida do tronco, corridas de canoas, competição de pesca, danças e outras atividades físicas. Percebe-se tambem que o jogo de xadrez já fazia parte da tripulação dos navios da frota de Cabral. Percebe-se também que, eram livres, não havia ninguém para ensinar nada sobre sua saúde e movimentos corporais, aprendiam com a natureza e a experiência dos mais velhos.
A nona edição dos Jogos indígenas será realizada de 24 de novembro a 1º de dezembro. As provas serão distribuídas em Recife e Olinda. . O evento é realizado desde outubro de 1996, sob o patrocínio do Ministério Extraordinário dos Esportes, por meio das secretarias de esporte e prefeituras dos estados que acolhem o evento, com o apoio da Funai, responsável pela mobilização dos participantes do evento. As modalidades existentes são; Arco e Flecha, Cabo de guerra, Canoagem, Atletismo, Corrida com tora, Xikunahity, (Futebol de cabeça, pronuncia-se Zikunariti, na linguagem dos Paresi e Hiara na língua dos Enawenê Nawê, a Prova consiste numa espécie de futebol, em que o chute só pode ser dado usando a cabeça. É um esporte praticado tradicionalmente pelos povos Paresi, Salumã, Irántxe, Mamaidê e Enawenê-Nawê, de Mato Grosso. É disputado por duas equipes que podem possuir oito, dez ou mais atletas e um capitão é realizada em campo de terra batida, para que a bola ganhe impulso.),Futebol, Arremesso de lança, Luta corporal, Natação, Zarabatana, Rõkrã ( Jogo coletivo tradicional praticado pelo Povo Kayapó do estado do Pará. Jogado em um campo de tamanho semelhante ao do futebol. Se desenvolve entre duas equipes de 10 ou mais atletas de cada lado, onde todos usam uma espécie de borduna (bastão), cujo objetivo é rebater uma pequena bola (coco) que ao ultrapassar a linha de fundo de seu oponente, marca um ponto. De acordo com informações dos kayapó, esse esporte já não estava mais sendo praticado devido a sua violência que causava graves contusões nos competidores, essa modalidade tem muita semelhança com um dos esportes mais populares do Canadá, o Lacrosse, coincidentemente considerado de origem indígena daquele país.)
O questionamento em voga é refletir e perguntar; quem ensinou aos indígenas todos esses esportes? Donde eles adquiriam essas habilidades? Havia Professores ou Profissionais de Educação Física? Evidentemente que não. Toda essa aprendizagem vinha dos movimentos naturais necessários a sua sobrevivência juntamente com a necessidade de caçar, pescar, atravessar rios a nado, subir em arvores, correr para diminuir o tempo nas distancia, criar brincadeiras nas horas de ócio, preparar-se para as guerras, construir abrigos, manipular alimentos, confeccionar utensílios e vestimentas. Tudo que aprendiam era com os elementos da natureza e repassado de gerações em geração através da genética e do poder da imitação, na qual é uma poderosa ferramenta de aprendizagem no desenvolvimento dos movimentos humanos. Pela imitação aprendemos muito mais a desenvolver os movimentos tanto na dança como nos esportes ou em qualquer atividade que exijam os movimentos.
Pode-se pensar que, eu, como professor de educação física, sou contra a minha profissão, em hipótese alguma penso assim, mas sei que o nosso papel deve ser de educador e repassar para todos a cultura do movimento humano para que possamos vencer as barreiras que o mundo moderno impõe a cada dia, onde nossos espaços são reduzidos e o conforto da tecnologia nos torna pessoas ociosas, levando também a obesidade pela farta opção de alimentos. Somos induzidos a consumir muito e não temos espaços adequados para as atividades físicas e isso fez perdemos a capacidade de exercitar nossos movimentos naturais.
Devemos ter ciências da nossa capacidade criativa na qual somos capazes de criar e executar diversos movimentos sem a necessidade de nenhum profissional ou professor interferir. A cultura humana tem mostrado isso através dos milênios onde diversas delas tem sido a criadora de danças, artes marciais, esportes e das milhares atividades dos movimentos humanos desde os primórdios da humanidade. O professor como educador deve ensinar, estimular, demonstrar, estudar, pesquisar, propor, fazer valer a busca da cultura dos movimentos humanos nas diversas épocas, como fator histórico, aplicando nossos conhecimentos nas diversas áreas onde existir e necessitar das atividades dos movimentos humanos.
Ninguém ensina a ninguém a mamar, pegar, jogar, engatinhar, arrastar, andar, correr, pular, rolar... Apenas auxiliam no processo natural do desenvolvimentos dos movimentos. Já dizia o grande educador Paulo Freire; "Ninguém educa ninguém, as pessoas se educam em comunhão". E aasim também ocorre com os movimentos humanos.


EDUCAÇÃO FÍSICA E SAÚDE
Por William Pereira da Silva

A Educação Física ao longo dos anos experimentou várias tendências passando pela tendência militar, médica, desportista, ainda as tendências da cientificidade, profissionalizante e a tendência educacional onde cada uma tem uma visão diferente de como a Educação Física devia atuar no universo social.
Hoje as duas tendências que prevalecem são a da Saúde ligada a medicina e a Educacional a Educação, uma com direito a atuação os Bacharéis em Educação Física e a outra os do Curso de Licenciatura em Educação Física.
Para um entendimento melhor torna-se necessário uma abordagem de Silvino Santin no seu texto "Educação Física Sabedoria de Viver" diferenciando as duas tendências hoje consolidadas e atuantes nesta área.
A TENDÊNCIA PROFISSIONALIZANTE talvez o mais numeroso, tem uma Educação Física definida como uma atividade profissional liberal. O profissional da Educação Física, segundo esta tendência, deve ser equiparado ao bacharel em direito, ao médico, ao economista, etc. Somente assim a Educação Física seria reconhecida, garantindo-se uma fatia no mercado de trabalho e via legislação, assegurando-se a reserva deste mercado. Suas lutas, fundamentalmente, voltam-se para a política de organização profissional e institucional da classe tentando estabelecer uma legislação federal que dê suporte jurídico aos direitos profissionais fundamentais dos egressos dos Cursos de Educação Física.
A TENDÊNCIA EDUCACIONAL talvez menor e sonhadora, inspirado em temas humanísticos que busca entender a Educação Física com uma ação pedagógica. Antes de se tornar ciência, antes de constituir-se em profissão liberal, a Educação Física é uma sabedoria de viver, uma exigência pessoal e existencial, isto é, uma tarefa educativa. Desta maneira, ela, em suas raízes mais profundas, tem compromisso com a pessoa, isto é, com o crescimento, desenvolvimento e bem-estar do ser humano. Ela é um processo educativo que, antes do saber cientifico e do trabalho produtivo, tem um compromisso com a existência humana.Defende-se, aqui, o ideal pedagógico da Educação Física por considerá-la uma ação mais abrangente, compromissada com a globalidade das situações humanas.
Atualmente quando esta no consultório médico o paciente recebe a receita com a medicação e prescrevem-se também atividades físicas na maioria dos casos. Educação Física é sinônimo de saúde. Não há mais quem duvide da eficácia das atividades físicas no combate a uma infinidade de doenças do sistema cardiovascular e de outros sistemas do corpo humano.
No sistema muscular os movimentos dão aos músculos mais força, agilidade, flexibilidade, resistência, elasticidade, coordenação motora, equilíbrio e alongamentos. No sistema Nervoso harmoniza as conexões nervosas dando mais relaxamento, evitando o stress, a fadiga, a ansiedade e a depressão promovendo hábitos salutares de alimentação e higiene. No sistema circulatório tem a diminuição da freqüência cardíaca em repouso ou em movimento, o aumento das cavidades do coração com maior volume de ejeção de sangue nas veias e artérias evitando entupimentos e possíveis infartos. No sistema respiratório o aumento na capacidade da respiração levando maior volume de ar aos pulmões e conseqüentemente oxigênio mais puro para o sangue alimentando melhor as células e todo organismo, fortalecimento dos alvéolos evitando doenças. Como terapia em várias doenças cardiorespiratórias e maior capacidade aeróbica No sistema esquelético reforçam toda estrutura óssea evitando no futuro a osteoporose Muitos são os benefícios que a educação Física traz para um melhor desenvolvimento e desempenho do nosso corpo como os tratamentos na fisioterapia em recuperação de movimentos perdidos, na gravidez os movimentos adequados ajudam a mulher a ter melhor desempenho no parto, além de fortalecer as paredes abdominais dando maior rigidez evitando a chamada "barriga d'água", melhora o desempenho sexual, o cérebro passa a ter maior irrigação melhorando os pensamentos, a pratica da ginástica, dança natação... Diminui o interesse aos vícios das drogas e do álcool, melhora a estética do corpo, dando maior rigidez à pele, seios, nádegas, melhorando o tônus muscular. Com a pratica dos exercícios físicos teremos um coração mais vigoroso, artérias livres de gorduras, articulações azeitadas, níveis de açúcar normais, equilíbrio hormonal, sono mais tranqüilo, pressão normal, bom humor, postura correta, melhora da auto-estima, mais fôlego, as mulheres passam a ter mais alívio da TPM, mamas protegidas contra câncer, os homens a próstata mais protegida, os dois passam a ter mais entusiasmo no sexo, memória mais afiada, ossos mais fortes e sistema imunológico reforçados.
Por isso hoje a educação física é tratada com um fator de saúde e devemos dar a atenção devida tanto nas academias, consultórios como nas escolas.


A Educação Psicomotora no Processo Educacional de Crianças

Por William Pereira da Silva
wilpersil@hotmail.com

Inicio dos anos noventa lecionava a disciplina Educação Física Aplicada ao Magistério, onde no Centro Educacional Jerônimo Rosado, hoje Escola Estadual Jerônimo Rosado, funcionava o Curso de Magistério preparando professoras para ensino fundamental em nível de ensino médio. Dentro deste contexto utilizávamos os conteúdos da EDUCAÇÃO PSICOMOTORA OU DA PSICOMOTRICIDADE.
Nesta aplicação a educação psicomotora é entendida como uma metodologia de ensino que instrumentaliza o movimento humano enquanto meio pedagógico para favorecer o desenvolvimento da criança, conforme a define LE BOULCH (1983). Os princípios fundamentais dessa metodologia são oriundos da psicomotricidade que, enquanto área de conhecimento, estuda a conduta motora no processo de desenvolvimento do ser humano.
O objetivo principal era dar as alunas do Magistério conhecimentos suficientes para entenderem a importância dos movimentos corporais na educação das crianças. Fazer entender que O CORPO DA CRIANÇA É UM SÓ, já que tradicionalmente as escolas só visam o desenvolvimento intelectual das crianças como se elas tivessem somente cabeça esquecendo o resto do corpo. A Educação Física Aplicada ao Magistério associada à Educação Psicomotora foi um sucesso sendo aceita por toda comunidade escolar. Era assimilada com facilidade pelas alunas enquanto durou o Curso de Magistério que infelizmente foi extinto da rede publica estadual de ensino pela força da Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB – na qual só poderá lecionar no ensino fundamental quem possuir Curso de Formação Superior.
Durante os três anos lecionando esta disciplina percebi a importância da Educação Psicomotora para as crianças em geral e lamentavelmente não vejo sendo aplicada nas escolas da nossa região, se há alguma não é do meu conhecimento, e creio que não há.
O fator principal da Educação Psicomotora ou da Psicomotricidade é a visão global que tem das crianças considerando desenvolvimento dela de forma geral. Sendo de grande relevância educar a criança num todo, educar O COGNITIVO (a inteligência), A AFETIVIDADE (sentimentos e emoções), O SOCIAL (relações pessoais com ou outros) E O MOTOR (os movimentos em geral). Sempre em qualquer situação, em qualquer disciplina, em qualquer conteúdo levar em conta a criança NO TODO, nunca desassociar uma parte da outra.
Neste mesmo período em que lecionava no Centro Educacional Jerônimo Rosado havia a implantação de um projeto na rede municipal de ensino onde os professores de educação física atuavam aplicando juntamente com as professoras do ensino fundamental as atividades Curriculares inserindo conteúdos relacionados à PSICOMOTRICIDADE. Pioneirismo implantado pelo Professor Djalma Frota, tendo sucesso garantido melhorando consideravelmente o desenvolvimento das crianças na evolução da aprendizagem e nos esportes em geral. Mas como no Brasil, evidentemente em Mossoró, a educação é tratada em décimo lugar e é um eterno laboratório de experiências, onde alunos e professores são eternas cobaias a EDUCAÇÃO PSICOMOTORA E A PSICOMOTRICIDADE foram abandonadas e esquecidas sendo as grandes perdedoras as milhares de crianças que tanto necessitam deste tipo de educação.
Temos de resgatar a Educação Psicomotora de uma forma ou de outra pela sua importância no desenvolvimento global da criança levando em consideração que só existe educação quando estamos sendo educado num todo. Preparando o corpo todo, não só a nossa inteligência, mas também as emoções, os sentimentos, as relações sociais, os movimentos em geral. Aprender O ESQUEMA CORPORAL, A ESTRUTURAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL. Desenvolver as percepções diversas como olfato, tato, visão, paladar e audição, dando ao corpo a noção exata de como viver no ambiente coletivo, aprendendo a usar seu corpo através dos movimentos explorando cada detalhe, cada lugar do espaço, aprenderem a utilizar o tempo e tudo em volta com seus objetos.
Segundo as professoras Ângela Maria da Paz e Molinari Solange Mari Sens "A educação física, como ação psicomotora e por meio da educação psicomotora, incentiva a prática do movimento em todo o transcurso de existência do ser humano. Tal concepção fundamenta-se nos conceitos da educação permanente, como uma nova forma de evento educativo que atualmente tende a revolucionar os sistemas educacionais de todo o mundo. Ela diversifica-se em função das relações sociais, das idéias morais, das capacidades e da maneira de ser de cada um, além de seus valores; educa o movimento, ao mesmo tempo em que põem em jogo as funções da inteligência. A partir dessa posição, pode-se ver a relação intrínseca das funções motoras cognitivas e que, também pela afetividade, encaminha o movimento"


O SEFD 2 O CLUBE ESCOLAR E O PROESP-BR

Professor William Pereira da Silva.

Nós, professores de Educação Física da Rede Pública Estadual de Ensino atuantes desde o ano de mil novecentos e oitenta e três (1983) vivenciamos o REGULAMENTO SOBRE O ENSINO E A PRATICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS DE 1º E 2º GRAUS E RAMOS DE ESCOLARIZAÇÃO DA REDE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO NORTE. O famoso SEFD 2, Conjunto de leis e normas formavam o regulamento que dispunha sobre o ensino e a pratica da Educação Física e dos Desportos em todo estado do Rio Grande do Norte.
Todo professor de Educação Física sabia exatamente o que fazer nas escolas durante o ano letivo, este regulamento o SEFD 2 dava toda a legislação com as diretrizes, as metodologias inclusive modelos de fichas diversas como memorandos, fichas cadastro individual dos alunos, Quadro de Programação de Carga Horária, requerimentos, ficha de dispensa, etc. Constava também o quadro de percentagem em Educação Física para calcular o percentual de aulas em relação à freqüência dos alunos. Junto a tudo isso vinha um manual dos testes para serem realizados com os alunos das escolas estaduais com os exercícios físicos detalhadamente a serem realizados, constando as tabelas de resultados para todos os exames ou testes realizados com os alunos.
No início do ano os professores de Educação Física começavam o ano auxiliando os médicos a realizarem os exames médico e Biométrico (Pesar e medir). Em seguida após preencher as fichas individuais dos alunos começar a realizar os teste de Aptidão Física e Aptidão Motora com uma bateria de exercícios numa maratona que envolvia praticamente toda escola. Todos os alunos passavam pelo médico, eram pesados e medidos, avaliados pelos testes para depois começar as aulas pratica de Educação Física e o treinamento das modalidades esportivas. Nenhuma escola começava as aulas de Educação Física antes de realizar todas essas tarefas. Tudo funcionava plenamente durante parte do ano letivo ate chegar os Jogos Escolares onde existia uma verdadeira festa com as competições entre as escolas. Uma verdadeira Olimpíada Estudantil.
Na Portaria Nº. 001, de 07 de abril de 1982 no Capitulo III do SEFD 2 instituía a criação do CLUBE ESCOLAR para efeito de vinculação à estrutura do Desporto Escolar, isto é, dentro da escola poderíamos criar um Clube para formar equipes esportivas de qualquer natureza, para representar a escola em torneios e competições diversas. Com presidência e tudo mais que um clube tem direito. Incentivava ainda a participação da comunidade onde no seu artigo 26 - Serão estimulados as atividades desportivas que reúnam pais e filhos, alunos e professores, e integrante do clube escolar e da comunidade. Podemos ampliar a idéia implantando nas escolas UM CLUBE ESCOLAR mais diversificado num modelo simplificado do funcionamento do SESI e SESC CLUBE com atividades recreativas, esportivas, jogos de salão e academias.
Tudo isso prevaleceu por muitos anos, e o que não entendemos são os motivos de tudo acabar sem explicações. O SEFD 2 dois foi abandonado ocasionando uma lacuna de desentendimento do Funcionamento da Educação Física nas escolas estaduais, atualmente nada funciona a contento, há uma desorientação como deva funcionar a Educação Física Escolar. Todo ano inventam soluções que são abandonadas antes de por em pratica é um vai e vem de idéias e aplicações resultando num péssimo quadro para a Educação Física e os Professores da área. Somente funcionam precariamente as modalidades esportivas.
Nem a secretaria de Educação, a CODESP e muito menos as DIRED'S estabelecem um REGULAMENTO SOBRE O ENSINO E PRATICA DA EDUCAÇÃO FÍSICA que continuam à deriva sem rumo certo.
As soluções existem é preciso realizar UM FÓRUM sério e independente ouvindo as idéias dos professores realmente capazes que trabalham com seriedade. São pesquisadores que nunca são ouvidos nas suas aclamações com as soluções viáveis para acabar o descaso dos órgãos dirigentes da Educação Física do Rio Grande do Norte dando um horizonte melhor para a Educação Física Escolar.
Tenho em mãos e já apresentei a vários colegas e sugeri ao DIRED um projeto viável para a Educação Física Escolar; O PROJETO ESPORTE Brasil – Indicadores de saúde e fatores de prestação esportiva em crianças e jovens – O PROESP-BR, desenvolvido pelo Setor de Pedagogia de Esporte do CENTRO DE EXCELÊNCIA ESPORTIVA- CENESP da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e aplicado em todo Brasil. Por incrível que pareça, foi desenvolvido nos moldes dos exames e testes realizados nos anos 80 proposto pelo SEFD 2 criado pelo Dr. Maurício Leal Rocha, ele na década de 70, iniciou um projeto Nacional de avaliação da aptidão física. Hoje é homenageado pelo PROJETO ESPORTE BRASIL – PROESP-BR com a profunda gratidão de Adroaldo Gays, coordenador do Projeto.
O PROESP-BR é um projeto que se desenvolve prioritariamente no âmbito da educação física escolar(EFEsc). As investigações do Grupo PROESP-BR configuram-se em delinear o perfil de crianças e jovens brasileiros no que refere-se ao crescimento e desenvolvimento somatomotor e aptidão física relacionada à saúde e ao desempenho esportivo. Propõe realizar um estudo epidemiológico das relações entre exercício físico e doenças hipocinéticas e exercício físico e prática esportiva de rendimento.
Sugere tabelas normativas no que se refere ao desenvolvimento de crianças e jovens brasileiros e sugere critérios de referência para a identificação e diagnóstico de fatores de risco de doenças hipocinéticas.
No atual estágio o PROESP-BR dispõe de cem mil avaliações em escolares de todas as regiões do país na faixa etária de 7 a 17 anos. A partir de 2003 acrescentou-se ao PROESP-BR a linha de pesquisa Exercício Físico para Grupos Especiais. Iniciou-se a investigação em crianças com Síndrome de Down e Deficiência Mental e jovens HIV+/AIDS. Em 2004 e 2005 o projeto recebeu apoio do Ministério do Esporte. Em 2004 o projeto recebeu apoio da Fundação de Esporte e Lazer do Rio Grande do Sul possibilitando o mapeamento de escolares nas regiões do estado... É UM PROJETO RIQUÍSSIMO E VIÁVEL AS TODAS REGIÕES DO Brasil.
SOLUÇÕES TÊM FALTA UMA POLÍTICA VOLTADA DE VALORIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR.



A EDUCAÇÃO FÍSICA NO CONTEXTO SOCIAL ATUAL
WILLIAM PEREIRA DA SILVA

A Educação Física ao longo dos anos apresentou várias tendências, podemos citar a Tendência da Cientificidade (Para este grupo, a Educação Física e seu profissional só serão respeitados quando a Educação Física for reconhecida pela comunidade dos cientistas como uma ciência especifica), Tendência Profissionalizante (Um grupo, talvez o mais numeroso, tem uma Educação Física definida como uma atividade profissional liberal. O profissional da Educação Física, segundo esta tendência, deve ser equiparado ao bacharel em direito, ao médico, ao economista, etc. Somente assim a Educação Física seria reconhecida, garantindo-se uma fatia no mercado de trabalho e via legislação, assegurando-se a reserva deste mercado), e a Tendência Educacional (busca entender a Educação Física com uma ação pedagógica. Antes de se tornar ciência, antes de constituir-se em profissão liberal, a Educação Física é uma sabedoria de viver, uma exigência pessoal e existencial, isto é, uma tarefa educativa.) Tivemos também a Educação Física HIGIENISTA (a concepção denominada Educação Física Higienista era uma concepção particularmente forte nos anos finais do Império e no período da Primeira República, preocupava-se somente com a saúde ), a Educação Física MILITARISTA (Segundo Ghiraldelli ,1991, a Educação Física Militarista predominou no Brasil entre 1930 e 1945, e influenciou na concepção de treinamento para o esporte de competição).
A Educação Física apresenta-se no contexto social atual consolidada em duas tendências, a Educacional e a profissionalizante, a primeira esta inserida nas escolas e Universidades podendo atuar aqueles que terminaram um curso superior de licenciatura plena em Educação Física. A segunda tendência atua em clinicas, hospitais, empresas, academias, ginásios esportivos, clube de futebol, clubes esportivos, esses profissionais geralmente tem Curso de Bacharel em Educação Física. Tanto uma como a outra, sejam eles professores ou profissionais poderão exercer suas atividades em ambas as tendência desde que seja registrada no Conselho Federal de Educação Física. No caso do professor com licenciatura Plena, somente pode atuar fora do setor Educacional se estiver registrado no Conselho Federal de Educação Física – CONFEF.
Nas escolas os professores de Educação Física atuam utilizando os esportes, exercícios físicos e uma infinidades de atividades físicas voltados para a educação global do individuo.
Nas empresas, indústrias, clinicas, hospitais, clubes... Os profissionais da Educação Física utilizam de todos os recursos dos professores nas escolas, mas são voltados mais para a questão da saúde, das atividades físicas e exercícios físicos serem utilizados como forma de prevenir doenças e recuperação através dos movimentos corporais.
Há denominações diferentes para os que atuam nesta área, hoje temos o EDUCADOR FÍSICO, AGENTES DE SAÚDE E LAZER, TÉCNICO DE DESPORTO, MOTRICISTA,.
Tanto nas escolas como em outros setores da sociedade esta havendo também a inserção da Educação Física como um elemento de preocupação em trabalhar as atividades físicas com fator de melhoria de qualidade de vida aliada a nutrição, para que aja um equilíbrio em atividade física e alimentação, inclusive existem campanhas nos meios de comunicação de massa em todo país..
FONTES DE PESQUISA
http://wilpersilva.blogspot.com/


A OSTEOPOROSE, O MAL DE ALZHEIMER E SUA PREVENÇÃO COM ATIVIDADES FÍSICAS
Professor William Pereira da Silva

A osteoporose é uma doença que atinge os ossos. Caracteriza-se quando a quantidade de massa óssea diminui substancialmente e desenvolve ossos ocos, finos e de extrema sensibilidade, mais sujeitos a fraturas. Faz parte do processo normal de envelhecimento e é mais comum em mulheres que em homens. A doença progride lentamente e raramente apresenta sintomas antes que aconteça algo de maior gravidade, como uma fratura, que costuma ser espontânea, isto é, não relacionada a trauma. Se não forem feitos exames diagnósticos preventivos a osteoporose pode passar despercebida, até que tenha gravidade maior. A osteoporose pode ter sua evolução retardada por medidas preventivas.
A doença de Alzheimer ou mal de Alzheimer é uma doença degenerativa do cérebro caracterizada por uma perda das faculdades cognitivas superiores, manifestando-se inicialmente por alterações da memória episódica. Estes défices amnésicos agravam-se com a progressão da doença, e são posteriormente acompanhados por défices visuo-espaciais e de linguagem. O início da doença pode muitas vezes dar-se com simples alterações de personalidade, com ideação paranóide. Atualmente, em todo o mundo existem entre 17 e 25 milhões de portadores de Alzheimer, o que representa 70% do conjunto de doenças que afetam a população geriátrica. O Mal de Alzheimer deteriora algumas regiões do cérebro, que alteram o comportamento físico, mental, a linguagem, entre outros, levando a demência. Ele atinge pessoas a partir dos 50 anos de idade, porém é mais comum depois dos 60. Ainda não se descobriu a cura e também não há um exame específico para detectar o problema. Essa doença prejudica a relação de sociabilização da pessoa, tanto da sociedade com a pessoa e vice-versa, pois o Alzheimer leva ao esquecimento de familiares, hábitos, lugares, entre outros. Com o avanço da doença a pessoa torna-se dependente como um bebê.
Na Osteoporose a prevenção indica a pratica de atividades físicas, aconselha-se a fazer exercícios físicos regularmente: os exercícios resistidos são os mais recomendados; Dieta com alimentos ricos em cálcio (como leite e derivados), verduras (como brócolis e repolho), camarão, salmão e ostras. A reposição hormonal de estrógeno em mulheres durante e após o climatério consegue evitar a osteoporose. Tratamento reposição hormonal - Importante tanto durante a prevenção quanto durante o tratamento. O estrógeno reduz o risco de fraturas em mulheres com osteoporose.
Administração de cálcio - Para quem já tem a doença, o cálcio pode ser dado em dosagens de 1 mil a 1,5 mil miligramas por dia, com recomendação médica. Calcitonina - É um hormônio que tem a função de evitar que o cálcio saia dos ossos. Evita-se assim o processo de corrosão. Atividade Física, corretamente orientada (por um educador físico), também é usada como parte importante no tratamento e controle da osteoporose, podendo reduzir ou até, estabilizar a perda de massa óssea do indivíduo.
Não há prevenção para o Mal de Alzheimer relatam alguns estudiosos, porém especialistas recomendam exercícios contínuos para o cérebro como leitura, palavras-cruzada, xadrez, dama, dominó, etc.
Segundo Cummings, os fatores de risco associados ao mal de Alzheimer são: idade, sexo feminino, presença do gen ApoE4, colesterol alto, hiperhomocisteína, diabete, lesões na cabeça, estresse psicológico, hipertensão e tabagismo. "As três primeiras características são inevitáveis, mas todas as outras têm solução. Estudos mostram que mulheres com mais de 75 anos apresentam um risco até 1.2% maior de desenvolver a doença. O sexo gera uma predisposição natural, mas se uma mulher, nesta faixa etária, é fumante, hipertensa e diabética, suas chances aumentam em até 30%", disse.
Para prevenir a doença é preciso, de acordo com o médico, primeiramente, analisar e tratar os possíveis agentes relacionados aos fatores de risco, como o controle do colesterol.
Também é preciso manter o cérebro ativo em atividades como leitura e trabalhos que exijam atenção e concentração, realizar atividades físicas e de lazer e manter uma dieta com alta concentração de antioxidantes, entre eles o ômega3 e vitaminas C, E, B6 e B12.
De acordo com alguns estudiosos no assunto, "pesquisas apontam que pessoas que fazem trinta minutos de exercícios físicos, três vezes por semana, podem diminuir em até 50% a sua probabilidade de desenvolver o mal de Alzheimer".


Fontes de pesquisa.




I.M.C  E  OBESIDADE

William Pereira da Silva

O Índice de Massa Corporal (I.M.C.) é uma fórmula que indica se um adulto está acima do peso, se está obeso ou abaixo do peso ideal considerado saudável. A fórmula para calcular o Índice de Massa Corporal é: IMC = peso / (altura)2, é um método fácil com o qual qualquer um pode obter informação ou uma indicação com bom grau de acuidade, se está abaixo do peso, no peso ideal, acima do peso ou obeso. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o índice normal é entre 18.5 e 25. Então, para sua altura o peso ideal é entre Kg mín / Kg máx. Antes de tudo, é preciso salientar que o Índice de Massa Corporal é apenar um indicador, e não determina de forma inequívoca se uma pessoa está acima do peso ou obesa. A Organização Mundial de Saúde usa um critério simples: em relação ao IMC em adultos podemos classificar abaixo do peso quem tem o índice abaixo de 18,5, no peso normal entre 18,5 e 25, acima do peso entre 25 e 30 e obeso acima de 30 de acordo com a tabela da OMC
A vantagem do sistema da Organização Mundial de Saúde é que ele é simples, com números redondos e fáceis de utilizar. Há alguns problemas em usar o IMC para determinar se uma pessoa está acima do peso. Por exemplo, pessoas musculosas podem tem um Índice de Massa Corporal alto e não serem gordas. O IMC também não é aplicável para crianças. Outro problema é a influência, ainda não suficientemente estudada, que as diferenças raciais e étnicas têm sobre o Índice de Massa Corporal. Por exemplo, um grupo de assessoramento à Organização Mundial de Saúde concluiu que pessoas de origem asiática poderiam ser consideradas acima do peso com um IMC de apenas 23.
A Obesidade é a deposição excessiva de gordura no organismo, levando a um peso corporal que ultrapassa em 15%, ou mais, o peso ótimo. Os nutricionistas Cecília L. de Oliveira e Mauro Fisberg relatam que "vários fatores são importantes na gênese da obesidade, como os genéticos, os fisiológicos e os metabólicos; no entanto, os que poderiam explicar este crescente aumento do número de indivíduos obesos parecem estar mais relacionados às mudanças no estilo de vida e aos hábitos alimentares. O aumento no consumo de alimentos ricos em açúcares simples e gordura, com alta densidade energética, e a diminuição da prática de exercícios físicos, são os principais fatores relacionados ao meio ambiente.Os estudos verificaram que a obesidade infantil foi inversamente relacionada com a prática da atividade física sistemática, com a presença de TV, computador e videogame nas residências, além do baixo consumo de verduras, confirmando a influência do meio ambiente sobre o desenvolvimento do excesso de peso em nosso meio. Outro achado importante foi o fato da criança estudar em escola privada e ser unigênita, como os principais fatores preditivos na determinação do ganho excessivo de peso, demonstrando a influência do fator sócio-econômico e do micro-ambiente familiar. O acesso mais fácil aos alimentos ricos em gorduras e açúcares simples, assim como, aos avanços tecnológicos, como computadores e videogames, poderia explicar de certa forma a maior prevalência da obesidade encontrada nas escolas particulares.Contudo, esses dados não estão de acordo com os encontrados em países desenvolvidos, onde existe uma relação inversa entre o nível de educação ou sócio-econômico e a obesidade.
Muitos outros aspectos podem influenciar na obesidade, como os alimentos servidos em restaurantes, bares e supermercados, a variedade e o aumento nas porções dos alimentos sofreram um aumento significativo nos últimos anos, por exemplo, o tamanho da batata-frita oferecida aos consumidores em meados dos anos 50 representava 1/3 do maior tamanho oferecido em 2001, acontecendo também com a carne, chocolates e massas em geral.
A importância de apresentar medidas de intervenção na prevenção de distúrbios nutricionais em indivíduos propensos a obesidade merece destaque de todos os setores da sociedade, inclusive na educação, na indústria alimentícia e nos meios de comunicação, massificando a necessidade de uma ampla campanha de esclarecimento e conscientização na forma como devemos nos alimentar e praticar atividades físicas.
"Medidas de caráter educativo e informativo, através do currículo escolar e dos meios de comunicação de massa, assim como, o controle da propaganda de alimentos não saudáveis, dirigidos principalmente ao público em geral e, a inclusão de um percentual mínimo de alimentos in natura no programa nacional de alimentação escolar e redução de açúcares simples são ações que devem ser praticadas. Sobre a indústria alimentícia, devemos procurar o apoio à produção e comercialização de alimentos saudáveis", exaltam os nutricionistas Cecília L. de Oliveira e Mauro Fisberg.


EDUCAÇÃO FÍSICA – UMA NOVA FORMA DE TRABALHAR

William Pereira da Silva

Nós, Professores de Educação Física, estamos lecionando nossa disciplina pela primeira vez, no horário normal de aulas, antigamente eram executadas em outros turnos. Algumas escolas estão adotando a sistemática de uma aula no horário normal e outra em outro turno, isso de certa forma trás benefícios para a valorização da disciplina, porém para alguns professores e profissionais da área gera certos incômodos, ocasionado porque, precisamos de mais de uma fonte de renda para ter uma vida financeiramente razoável, seria necessário a compreensão dos empregadores que nos pagassem dignamente criando a dedicação exclusiva, seria quando poderíamos trabalhar satisfeitos. Dentro deste dilema temos alguns profissionais que ainda não estão preparados para assumir essas aulas, precisaríamos algumas vezes dar aquela famosa aula teórica em sala de aula, onde a maioria dos professores de Educação Física não tem essa pratica, e mais, há uma corrente que defende a tese na qual essas aulas não condiz com a filosofia da metodologia da Disciplina Educação Física, ela foi criada justamente para defender e aplicar a concepção de colocar o corpo em movimento, evidentemente aplicar conteúdos teóricos contradiz realmente com a nossa pratica da CULTURA DOS MOVIMENTOS CORPORAIS, nela utilizamos os exercícios físicos, as modalidades esportivas, a dança, as artes marciais, os jogos, a recreação, o lazer, enfim tudo aquilo que coloca o corpo em movimentos e a sala de aula não da as condições necessárias para tudo isso, muitas vezes a própria escola não tem espaços físicos nem materiais adequados. Mais uma vez a Educação Física é colocada em Xeque.
Como professor de Educação Física essa não é a primeira experiência que vivencio nestes parâmetros, na década de noventa lecionei a EDUCAÇÃO FÍSICA APLICADA AO MAGISTÉRIO, cujo objetivo era dar subsídios as normalistas, para entender a EDUCAÇÃO PSICOMOTORA, compreendendo o valor dos movimentos corporais para a educação da criança desde a pré-escola até a fase adulta, neste período as aulas eram teóricas/praticas no turno normal das aulas, foram três anos nesta empreitada, ainda na rede privada tive uma pratica de três meses dando aulas no horário normal, quando tirava os alunos de sala de aula, levava-os para a quadra de esportes exercendo as atividades da Educação Física, a evasão era zero, as aulas muito produtivas, os alunos adoravam, no entanto os pontos negativos alegados pela diretora foram o barulho da movimentação no entra e sai, o tempo perdido entre a saída da sala e a volta dos alunos, motivo o qual ela acabou com essa pratica, da minha parte o ponto negativo era o aumento da jornada de trabalho, mais planejamentos e o salário Ô, aquela coisinha irrisória, desestimulava qualquer profissional da área.
Do ponto de vista da aprendizagem do aluno e a valorização da Educação Física essa medotologia torna-se extremamente positiva e eficaz, mas por que tanta rejeição tanto do aluno quanto do profissional? Vejamos:
- Os alunos não têm em sua totalidade a cultura dos movimentos corporais, a maioria deles gosta mesmo é do esporte, da modalidade esportiva, da dança, das artes marciais, da recreação, dos jogos, a educação física dos exercícios físicos aplicada nas escolas não atrai mais nenhum deles, essa pratica simplesmente faliu, quanto a teoria em sala de aula eles não aceitam por querer justamente sair de sala de aula e ter atividades mais dinâmicas, mais atrativas, a sala de aula para a maioria dos estudantes é um martírio.
- Os Profissionais e Professores da Educação Física até que entendem e valorizam essa pratica porem vem à questão do TEMPO/SALÁRIO, neste sistema ficamos mais aprisionados nas escolas perdendo a oportunidade de exercer mais empregos e melhorar nossa renda ocasionando um grande prejuízo para a classe, caso adotassem a dedicação exclusiva e melhorassem nossos salários a coisa seria bem mais diferente. Ouro ponto são os conteúdos a serem aplicados. Não houve sequer uma preparação com cursos de atualizações, aperfeiçoamento, especialização ou qualquer outra atividade preparando os educadores desta área, nas outras disciplinas esses professores tem uma literatura abundante para qualquer série em que esteja lecionandos, as editoras oferecerem centenas de oportunidades de livros para cada professor da pré-escola ao ensino médio, e nós professores de Educação Física o que temos? Não existe sequer uma cartilha de orientação ou um programa elaborado de forma sistemática para as séries seqüenciais existente nos sistemas de ensino das escolas, somente algumas apostilhas elaboradas por alguma secretaria de educação que muitas vezes não condizem com a realidade existente nas escolas em que ensinamos. Creio que quem deve elaborar e executar as aulas de educação física é o professor, o educador, o profissional da Educação Física juntamente com a Direção da escola e o corpo administrativo respeitando a realidade e peculiaridade, aí sim estaríamos respeitando a lei LDB, os alunos, a escola e todos os envolvidos neste processo da Educação Física Escolar.


O PROFESSOR DA BOLA
William Pereira da Silva

A Educação Física é uma das disciplinas mais ricas numa escola, não desmerecendo as outras que tem seu valor intrínseco. Disciplinas como português, matemática, história, geografia, ciências... Tem uma diretriz preparada com livros prontos, os professores possuem conteúdos para cada série em que atuam, seguem um padrão já estabelecido por autores e editoras, os professores de Educação Física não tem este privilégio, tendo de pesquisar muito para conseguir os conteúdos. No nosso campo de atuação tem de conviver com várias realidades diferentes, cada escola, cada ambiente necessita de um planejamento especifico diferentemente das outras disciplinas, na qual seu conteúdo pode ser aplicado da mesma forma em realidades totalmente distintas. A educação física precisa de espaço e material próprio para desenvolver suas atividades. Por ser amplo seus leques de atuação podem utilizar da arte, da dança, da música, dos exercícios físicos, da ginástica, das modalidades esportivas, da recreação, das artes marciais, do lazer, das competições, das academias... Enfim atuamos como nenhuma outra disciplina e é isto que a torna riquíssima em conteúdos e atividades.
Nas instituições em que a educação física é valorizada, há investimentos em recursos humanos e materiais, torna-se uma ação dinâmica onde se traduz numa comunidade que resplandece energia, força, vigor, vivacidade, as benesses são visíveis em todos os sentidos, primordialmente no referente à saúde, na qualidade de vida das pessoas envolvidos no processo das atividades na educação física.
Em muitas escolas existe a predileção pela disciplina educação física trazendo uma dinamicidade onde os alunos têm participação efetiva demonstrando satisfação em estar inserido no contexto dos jogos, da recreação, dos movimentos corporais no seu amplo campo de ação. Noutras a educação física passa a ser enfadonha, aborrecida, praticamente não há investimentos, esta disciplina passa ser insignificante diante da visão pequena e medíocre daqueles que não entendem seu real significado e valor para a educação global do desenvolvimento humano.
Nós, professores de educação física muitas vezes somos tachados de "professores da bola", visto como aquele educador que pretende somente passar o tempo da aula sentado e vendo os alunos jogarem bola. Professores com este perfil existem em minoria, é reprovável? Sim. Entretanto numa análise mais apurada devemos entender o que faz um profissional dar aulas repetidas vezes somente colocando seus alunos para jogarem bola? Existem justificativas? Sim.
Considere esta realidade. As aulas de educação física são ministradas no horário normal das outras disciplinas. A escola não possui nenhum recurso material, nem ao menos uma bola, nada, nada. O pátio interno é amplo, porém o mato e a lama predominam em maior extensão restando apenas um pequeno campo de futebol com duas traves, duas quadras ao ar livre, pequenas, sem nenhum padrão de medidas, com seu piso todo comprometido com buracos e muito saliente. A aula deve ser dada na sala. O professor planeja conteúdos de relaxamento, alongamentos, recreação, jogos de salão, aplicação de textos. Imediatamente é rebatido pelos alunos que alegam em não querer estas atividades, reclamam que já passam a semana toda em sala de aula, sentados, recebendo conteúdos das outras disciplinas e não agüentam mais as salas, querem é sair e usar os espaços ao ar livre, movimentar-se, afirmam categoricamente que educação física tem de ser no campo ou na quadra. O professor leva-os para o campo, para a quadra, tenta ministrar aula de recreação, coloca-los em circulo, em fileiras, alguns obedecem à maioria não, mostram insatisfação nos procedimentos utilizados pelo professor, todos exclamam que querem mesmo é jogar bola. Os alunos em sua maioria são da periferia, alguns de favelas, revelaram nunca ter praticado aulas de educação física, são fora da faixa etária correspondente a sua série. O professor tenta dialogar, mostrar a importância de desenvolver outras atividades alem de jogar bola, os alunos ameaçam ir embora, demonstram revolta. Solução. Jogar bola. A pratica exigida por eles em todas as aulas é jogar bola e prevalece por todo um período. O professor planeja inserir outras modalidades como voleibol, handebol, queimado... Em parte é aceito e começa a mudar somente a pratica do jogo de futebol em dias alternados, mas a predominância é a bola. Raros são os alunos que fogem desta pratica e vai jogar xadrez, dama e buscam sempre outras novidades que o professor oferece.
Daí é que surgem os professores da bola, onde a situação vivida exige adaptar-se a realidade da comunidade escolar e somente com o tempo podem mudar a concepção da cultura do jogo de futebol enraizada na alma do brasileiro. Precisa de muita paciência, dedicação, planejamento, estratégias, força de vontade, cativar os alunos com amizade, pouco a pouco induzir a pratica da cultura corporal onde todos vejam o corpo como um todo, onde tem de utilizar mãos, braços, pés, pernas, abdômen e "cabeça" não somente para cabecear a bola, mas também para pensar e ver a possibilidade de usar o espaço e tempo oferecido em sua totalidade com funções diversificadas.

4 comentários:

  1. A ed. física nas escolas públicas ainda é muito desvalorizada, os espaços físicos inadequados, a falta de materiais tbm, a remuneração do prof. então nem se fala. são poucas as escolas que se preocupam com esta área.

    ResponderExcluir